I will always be here, for you.

 E mesmo em meio a tantas pessoas, ela se sentia sozinha. Pesadas lágrimas teimavam de cair de seus olhos e ela se sentia completamente inútil por chorar em um lugar tão cheio como um ônibus, porém, dava graças a Deus por a luz estar apagada e ninguém notar que um coração machucado estava ali. Não entendia porque chorava daquela forma, afinal, deveria estar acostumada. Pessoas vêm e vão com uma grande facilidade na sua vida, principalmente vão com uma grande facilidade. Então, era de se esperar que mais uma se cansasse de si, não é? Mas por que doía tanto? Era considerada fria por alguns – poucos – amigos e naquele momento adoraria ser a rainha do gelo e ligar o dane-se para qualquer um. Mas não, ela tinha que ser tão sentimental quanto sua mãe e ligar até para um ‘bom dia’ dito com arrogância. E então, pela segunda vez naquele mês, ela estava ali: Derramando suas tão importantes lágrimas por pessoas que ela – achava – que se importavam com ela. Não era a toa que achava ser a pessoa mais solitária do mundo. Nunca conseguia durar uma amizade e magoava os fortes candidatos a seus amigos. Suspirou e encarou a janela. Observou todas as casas e carros que sumiam facilmente do seu campo de visão e imaginou se o mesmo não acontecia na sua vida. Riu da ironia que pensara e então fechou os olhos com força. Mais lágrimas caíram dali e uma prece saiu de seus lábios, mesmo que inaudível. Pediu a Deus que lhe mostrasse alguém que se importasse com ela, pediu aos céus que lhe mostrasse alguém que se importasse consigo a ponto de juntar os pedaços de seu coração, já que tinha certeza de que não conseguiria sozinha. As mãos foram guiadas aos olhos na tentativa inútil de limpá-los, e então, finalizou sua prece. Abriu os olhos para que assim pudesse pegar o celular e seus fones, colocando uma música lenta para acalmar seus ânimos (ou a falta deles). Aconchegou-se confortavelmente naquela poltrona e então voltou a fechar os olhos. Viajava na melodia e na letra daquela canção, tentando esquecer tudo que lhe atormentava. Foi então que seu celular vibrou, indicando que um whatsapp havia chegado. Desbloqueou a tela confusa, já que não estava esperando por mensagens naquele momento, sorrindo largo ao ler o conteúdo da mensagem.
"Boa noite minha dongsaeng¹ favorita! ♥ Só enchendo pra falar que eu te amo. "
Como sua amiga sabia que precisava ouvir isso justamente naquele momento? Ela não fazia a menor ideia. As lágrimas voltaram a cair de seus olhos e desejava o abraço da mais velha mais do que tudo nesse mundo. Era uma pena que esta morasse tão distante de si. Pensava em quão irônica podia ser a vida, já que, quase todos a sua volta tendiam a magoá-la e os que mais lhe faziam bem eram separados por inúmeros km de distância. Mas, naquele momento ela podia sorrir. Naquele momento, nada poderia lhe fazer tão bem quanto aquela mensagem.

E sua prece fora ouvida, afinal.

¹: Forma de tratamento coreana de pessoas mais velhas para pessoas mais novas as quais possuem afinidade. 

Acho que o texto  fala por si só.