#HappyMochiDay — Happy Birthday, love;

21:36




         Assim que fechara a porta, as costas tocaram a madeira e os olhos se fecharam por poucos segundos, suspirando e aproveitando o doce aroma que o interior da casa trazia. O dia havia sido totalmente cheio. Parecia algum tipo de karma, sempre que acordava em cima da hora e chegava atrasado, as coisas na empresa caíam para cima dele e o pior, ele era só um recém-contratado. Talvez fosse por isso que os colegas não davam a mínima para jogar todo o trabalho pesado nas suas costas, era até uma forma de ter uma diversão nos escritórios cheios de pessoas estressadas e papéis exageradamente amontoados pelos cantos.
         A pior parte de tudo isso era que além de recém-contratado, ele era um recém-casado. E, por ser o seu segundo aniversário ao lado da esposa, combinaram de comemorar juntos, um simples jantar em casa. Detestava cancelar as coisas com a esposa em cima da hora, mesmo que ela entendesse, ainda ficaria magoada. Claro que faria de tudo para esconder aquilo dele, mas era totalmente visível. Ela era do tipo que planejava as coisas com antecedência e sabia que a mulher havia passados horas do dia anterior buscando as melhores receitas na internet.
         “Então assim que estiver chegando, me avisa!” era o conteúdo da mensagem de texto enviada por ela, mas não teve coragem de liga-la as quinze para as onze da noite porque, além de tudo que havia acontecido, um acidente o deixou uma hora preso no trânsito de volta pra casa. Àquela altura, perguntava-se se alguém havia colocado algum tipo de maldição no dia 11 de outubro de 2014, porque só isso explicaria o que estava acontecendo. O silêncio da casa indicava que a esposa já descansava e entrou a passos lentos e cautelosos, a fim de não acordá-la. Os degraus eram subidos de dois em dois, para adiantar o processo que se limitava em tomar um bom banho e aproveitar os poucos minutos do seu aniversário abraçado à mulher adormecida.
         Fora diretamente para o banheiro e tomou um banho longo, daqueles que se ainda morasse com a mãe, levaria uma bronca extensa sobre o consumo exagerado de água. Com a toalha em volta da cintura, caminhou na mesma lentidão de antes até o quarto e ao abrir a porta, percebeu que uma luz fraca saía deste. O corpo inteiro esfriou diante do temor que lhe tomou só a ideia de saber que ela estaria acordada.
         Ela vai me matar por não ter avisado.
         Após engolir em seco, adentrou o quarto fechando a porta devagar logo em seguida. Os olhos se fecharam com força, mas ao abri-los, o alívio e a surpresa foram imediatos. Deitada com um livro entre as mãos, a esposa estava adormecida. Uma expressão serena, delicada. Ele sorriu com a imagem que lhe parecia a mais linda já vista e caminhou até o guarda-roupas, podendo finalmente se trocar.
         Vestido, limpo e renovado, ele saiu do quarto e desceu as escadas apressado e cauteloso, rumando a cozinha da casa. Acendeu a luz e uma segunda surpresa tomou conta dele. A mesa estava posta, com um bolo no centro contendo vinte e cinco pequenas velas em cima deste. Uma garrafa de vinho e uma caixa amarela com um grande laço vermelho completavam a arrumação da mesa.  Um sorriso largo lhe surgiu nos lábios, feliz com a esposa atenciosa que tinha. E por alguns segundos ele ficou apenas observando toda a dedicação dela exposta para si.
         - Eu falei pra me avisar quando chegasse. – A voz delicada da mulher ecoou pela cozinha, causando um pequeno susto nele, que riu ao colocar a mão no peito e caminhar até ela. Estava linda, usava uma camisola de seda longa em tom marfim. Apesar da frase em si ser autoritária, fora dita de maneira divertida e por isso, o homem não temeu em se aproximar.
         - Fiquei preocupado em te acordar. – Fora sincero em sua resposta, enquanto as mãos seguravam a cintura fina, puxando o corpo mais magro para colar ao seu. Ambos sorriram, enquanto em resposta as atitudes masculinas, ela levou as mãos pequenas até os ombros dele.
          - Mas eu nem cheguei a dormir. – Deu de ombros e sorriu. Ambos sabiam que ela dava importância as pequenas coisas e não deixaria o aniversário dele passar despercebido, mesmo que imprevistos a fizessem adaptar o seu primeiro plano. – Podemos ter o nosso jantar? Segundo o relógio da parede são onze e cinquenta e ainda é seu aniversário...
         Ele sorriu com a frase dita e as mãos deslizaram lentamente pela cintura da outra, sentindo suas curvas e abraçando-a forte. A felicidade era tanta que todos os problemas que o impediram de chegar mais cedo pareciam desaparecer apenas com a presença dela. Os lábios rumaram a bochecha dela com cuidado, distribuindo pequenos beijos por toda a sua extensão, ela sorriu ao fechar os olhos.
          - A ideia me parece ótima. – O sussurro saiu em meio aos carinhos, enquanto deslizava a ponta do nariz pela pele clara e chegava até o seu semelhante, movendo o rosto e fazendo daquela atitude mais um carinho, agora no nariz alheio.
         - Feliz aniversário. – Os finos lábios da mulher pronunciaram em um tom baixo, o qual só seria ouvido por conta da proximidade. Já ele, apenas esperou que a frase fosse finalizada para captura-los em um selar demorado, iniciando um beijo simples e calmo, que expressava exatamente a forma como ele a amava. O contato fora totalmente bem recebido por ela, que deslizou a destra pela nuca dele, chegando até os curtos cabelos e deixando que os dedos brincassem com os fios negros.

         Definitivamente, não havia maneira melhor de passar todos os seus aniversários, senão ao lado daquela mulher.
        
 Texto em homenagem ao aniversário do cantor canadense, Henry Lau.
20141011;

Leia Também:

2 comentários

  1. Lendo atrasada, mas vale.
    Ficou tão amorzinho, que é fácil de imaginar, você cuidou de detalhes simples que dão mais realidade ao texto. Adorei <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que bom ler isso! <3
      Eu escrevi durante a aula de Reação Jornalística, pode me julgar! LSADKJAS Inicialmente, eu pensei em escrever algo no estilo mensagem de aniversário mesmo, mas lembrei que uma vez você algo pro DongHae no estilo cena em crônica e resolvi fazer também! Ficou um pouco maior do que eu imaginei, mas gostei bastante! <3

      Excluir

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO DO BLOG

ACOMPANHE NO INSTAGRAM: @APENASFUGINDO