Poesia de sábado — estreia;

Boa noite, meus queridos pimpolhos!
Para quem assistiu o último vídeo do canal, deve ter ficado curioso com a colaboração que o meu pai fará aqui no blog. E, como combinado, trarei hoje para vocês o que seria exatamente essa colaboração.

Poucos sabem, mas o meu pai também é escritor. Em sua época áurea da vida (há muitos séculos atrás), ele participou de concursos e até ganhou alguns deles. Durante a mudança, encontrei uma placa que ele ganhou pelo 1º lugar no I Prêmio de Literatura Tobias Barreto, em 1992 (eu nem sonhava em nascer ainda!). O problema é que papai guarda coisas demais e acaba perdendo o que é realmente importante no meio de tanta tralha!

Então, nós decidimos unir o útil ao agradável: em uma forma de guardar (e divulgar) melhor os escritos do meu pai, ele me passou boa parte dos manuscritos e eu irei trazer aqui para o blog, fazendo dele um colaborador. Toda semana, uma poesia nova dele será postada aqui no blog, no quadro que estreia hoje chamado “Poesia de sábado”.  

E para essa estreia maravilhosa o texto é “Ausência”;

AUSÊNCIA;

Quando olhamos em volta
E não encontramos alguém que tanto amamos,
Bate a saudade... um vazio,
Uma tristeza imensa que nos faz chorar.

Chorar tão grande perda
E ficamos na incerteza de o encontrar.

- Onde estarás?!
- Deus o sabe!

Não contemplas nosso choro
Talvez esteja sorrindo...
Mas se também choras...
Então choremos.

Não, não ore (por ele)
Apenas devemos amá-lo,
Devemos lembra-lo a cada momento
E só assim o faremos viver
Novamente a cada instante
Em nosso pensamento.

Escrito por: Rogério Santos.


 __________________________________________________________________________

    
Rogério Santos, entre 40 e 50 anos, mas num sou velho não, viu?! Representante comercial, radialista, escritor quando dá certo e pai da dona desse blog! Já fui poeta um tempo, mas o tempo agora é outro que me falta. Ah, tempo danado! 


9 comentários
  1. Eu tava achando que ia ser crônicas, sei la pq. Mas cara poesia, muito mais difícil.
    Sr. Rogérico muito bem vindo \o/
    Sua poesia retratou bem momentos de saudade daqueles que já não estão conosco, seja por terem partido pra outro lugar ou por já se foram.
    Espero por mais poemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miga, sim... acho poesia muito difícil e olhe, encontrei cada uma maravilhosa, gente, eu tô amando demais isso :')
      Descobri depois que ele fez esse texto pro meu avô, que faleceu em 1994 e, nossa, mesmo não tendo a chance de conhecer o meu avô, deu pra sentir a dor do papai ao escrever, num deu? Por isso escolhi esse pra estreia :')

      ESPERAMOS TODAS, UHULES ♥

      Excluir
    2. Olá, Priscila!
      Também escrevo algumas crônicas, mas tenho uma familiaridade maior com poesias. Essa por exemplo, eu escrevi após a morte do meu pai.

      Obrigada pelas boas-vindas! Espero que goste das próximas.

      Excluir
  2. Muito bom mesmo! Seu Rogério, parabéns pelo dom! E Sta. Valadares... Você conseguiu absorver a mesma habilidade do seu pai de comover o leitor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu pai tá aqui dizendo que chega desse negócio de chamar de "Seu", viu? Todo querendo ser jovem, olha isso! HAUHAUAH Agradecemos os dois pelos elogios! Você é um lindo e cadê, hein, textos seus aqui no blog? rum

      Excluir
    2. Olá, Yago! Obrigado!
      E e elogio foi duplo, então, agradeço por ter dito que Thiarlley saiu a mim rsrs
      Espero que goste das próximas poesias.
      Abç

      Excluir
  3. Parabéns meu caro amigo Rogério! Você é um sonhador, lutador, vencedor, merecedores e acima de tudo, capaz de fazer e acontecer.

    Continue assim: se inspirando, pensando, poetizando e postando!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ademário! Muito obrigada pelas palavras, ficamos felizes (papai e eu) pelo seu apoio. Esperamos sempre te ver por aqui! :D ♥

      Excluir
    2. Ademario, grande amigo! Obrigado pelo apoio. Espero que você acompanhe as próximas poesias, fico muito grato pelas palavras.
      Abç

      Excluir