Poesia de sábado — Amizade;


AMIZADE


Minhas lágrimas, são tuas lágrimas,
Teu sofrimento é meu.
Tua voz sábia e serena me acalma,
Descanso no conselho teu

Em minha felicidade você se alegra,
Sua alegria é meu sorriso.
Nada do que preciso você me nega,
Qualquer hora conte comigo.

Somos como gêmeos idênticos,
Mas Isso não é telepatia,
Irmãos de alma, de sentimentos,
Envolvidos numa sinergia.

Confidências, segredos cumplicidade,
É algo inerente entre nós.
Não há barreiras, distância, ou idade,
Sejam: “contras”, seja “prós”.

Confiança, sinceridade, compreensão,
É coisa mútua, é algo natural.
Justiça, honestidade e compaixão.
Entre a gente isso  normal.

Não há mentiras, nem falsidades,
“Beijo de Judas”? Nada daquilo.
Quando a amizade é de verdade,
Não há lágrimas de Crocodilo.

Nossa amizade incomoda, causa ciúmes,
Entre muita gente do coração.
E dizem: “Pra que tanto apego, tanto grude”?
“Amizade muito fina é em vão.

O que podemos fazer com nossa amizade?
Se ela nos faz tanto bem?
Quanto mais nos conhecemos de verdade,
As virtudes do outro vem.

É maravilhoso quando estou ao seu lado,
Seu ombro é sem igual.
Abraço que aquece, conforta, um desolado.
Afasta pra longe todo mal.

Me sinto seguro se estou  contigo
Não há medo, há esperança.
Em nossa amizades eu acredito,
Não importa, circunstâncias.

Minha vida se divide em dois tempos:
Isto eu preciso dizer.
O tempo antes; e o tempo depois…
Do dia que conheci você.

              Escrito por: Rogério Santos
                    16.07.16


 ____________________________________________________________________________
Rogério Santos, entre 40 e 50 anos, mas num sou velho não, viu?! Representante comercial, radialista, escritor quando dá certo e pai da dona desse blog! Já fui poeta um tempo, mas o tempo agora é outro que me falta. Ah, tempo danado!
0 comentários
Postar um comentário