Poesia de sábado — Devaneios;

DEVANEIOS



A um minuto sem você...
Já não me deixa te ver a distância.
O meu ser faz fluir a lembrança,
Sinto saudades, meu bem, de você.

Cada minuto que passa, vou contando,
Subtraindo o tempo; aumentando,
Veemente o desejo de te ver.

Sinto teu cheiro, teu beijo, teu abraço,
Acreditando que estás ao meu lado...
Tento te tocar, mas não te acho,
Querendo dizer o quanto te amo,
Te procuro, mas me engano...
O lugar está gelado.

Devaneios meramente me envolvem,
O ônibus voava sobre extensa rodovia,
Neste momento... acordado ou dormia?
Não sei ao certo o que acontecia,
Se sonhava, se pensava,
O importante é que te amava;
O importante é que te sentia.

Mais tarde, já consciente
Controlo então minha mente,
Tento pensar de repente...
O que fazes tu sem mim?
Estás dormindo, estás sorrindo
Estás cantando? Será que estás pensando em mim?

[...]
 Escrito por: Rogério Santos
28.07.1999
____________________________________________________________________________
Rogério Santos, entre 40 e 50 anos, mas num sou velho não, viu?! Representante comercial, radialista, escritor quando dá certo e pai da dona desse blog! Já fui poeta um tempo, mas o tempo agora é outro que me falta. Ah, tempo danado!

Representatividade importa;

REPRESENTATIVIDADE IMPORTA


Noite de quinta-feira, 3 de novembro. No estágio, sou orientada a ir cobrir o 18º prêmio de monografia da universidade, em meia hora. Com câmera, agenda e caneta nas mãos, desço para o auditório que o evento aconteceria. O lugar, ainda vazio, lentamente fica repleto de pessoas e eu tentava pegar as entrevistas o quanto antes para depois tirar as fotos, voltar logo, redigir a matéria e ter o trabalho concluído.

O evento começou, sentada na primeira fila eu aguardava os discursos, levantando vez ou outra para fotografar a mesa e o início da solenidade. A premiação começou, os alunos vencedores e seus respectivos orientadores caminhavam em direção a mesa e, em meio a aplausos, recebiam o certificado (e o prêmio, tratando-se dos cinco primeiros) e eu era convocada para fazer os registros de cada um.

O vencedor do 9º lugar foi anunciado e o rapaz ficou de pé. Estudante de psicologia, negro, de cabelo crespo. A cada passo dado por ele o meu sorriso se alargava. Sua foto eu fiz ainda com o sorriso no rosto. O aluno se sentou, voltei para a lateral do palco e aguardei os anunciados seguintes.

Sétimo colocado. O sorriso em seus lábios era refletido no meu. Também do curso de psicologia, também negro, de cabelo cortado baixo e alegria estampada no rosto. A foto, feita com a mesma animação de antes. Novamente, o aluno se sentou. Eu voltei a lateral que me cabia e quando pensei que as emoções terminaram, me enganei.

Sexta colocada. Estudante de Educação Física, mulher, cacheada, negra, linda! Sentada próximo aonde eu estava, o sorriso exibido nos lábios carnudos, que portavam um batom forte, demonstrava a felicidade e realização que a moça se encontrava com aquela premiação. A foto, assim como as anteriores, foi feita com alegria.

O restante do evento se seguiu, normalmente. Ao fim de todas as fotografias, entrevistas, aplausos, eu procurei cada um e pedi para tirar uma foto dos três juntos.

“Representatividade importa, né” Disse um deles, ao sorrir e apertar a minha mão. Eu sorri tão largo quanto o momento em que cada um deles foi anunciado para a premiação.

“SIM! Importa sim” respondi, eufórica.

Anilton Santos Pereira, Fábio Santos e Jaqueline dos Santos Ladeira.

Suas colocações não lhes renderam prêmios, apenas certificados. Mas saibam que a conquista de vocês vai muito além do reconhecimento pelo trabalho árduo de uma monografia.

Numa universidade particular, uma das mais caras do estado, numa premiação de trabalhos científicos, vocês representaram. Representaram a luta diária por espaço seja na academia, no mercado de trabalho, no mundo, na vida.

Vocês representaram todos nós que lutamos, dia após dia, em busca de reconhecimento.

O prêmio, sem dúvida alguma, é de cada um de vocês.

Mas também é nosso. Obrigada por nos representar de forma tão grandiosa.


Parabéns, mais uma vez. 

Poesia de sábado — A graça de Deus;

A GRAÇA DE DEUS


Que graça tem um fim de semana sem cerveja?
Que graça tem não poder  brincar no carnaval?
Que graça tem não está entre amigos à mesa?
Que graça tem a vida se não temos este ritual?

Que graça tem uma cidade sem uma  seresta?
Que graça tem a vida sem se dançar um forró?
Que graça tem uma cidade que não tem festas?
Que graça tem, sem trio, sem balada, e o xodó?...

Que graça tem o namorar ou o ficar sem sexo?
Que graça tem ter que esperar primeiro casar?
Que graça tem esse sacrifício se não der certo?
Que graça tem não poder somente se ajuntar?

Que graça tem ser  homem de uma só mulher?
Se tem mais mulher do que homem no mundo?
Algumas me vêem como cafajeste, vagabundo,
Outras não sabem; não ligam e há quem quer?

Que graça tem num mundo corrupto ser honesto?
Se ninguém reconhece e ainda vão se aproveitar?
Que graça tem ser justo e querer fazer tudo certo?
Que graça tem ser humilde, eles vão te humilhar?

Que graça tem em amar alguém que é um inimigo?
Que graça tem em perdoar aquele que me ofendeu?
Que graça tem perder o gostinho da vingança amigo,
Que graça tem não querer o mal dos inimigos seus?

Que graça tem não apostar, não arriscar na sorte?
Que graça tem a vida sem aquela boa mentirinha?
Que graça tem não aproveitar a vida antes da morte?
Pois quando ela chega, acaba toda a nossa alegria?

Que graça tem em você ir à igreja todo santo dia?
Que graça tem em ser crente, me diga, me explique?
Que graça tem em ler a Bíblia sem nada entender?

… A GRAÇA DE DEUS!
“A MINHA GRAÇA TE BASTA, É SOMENTE CRER!”


  Escrito por: Rogério Santos
20.01.2011
____________________________________________________________________________
Rogério Santos, entre 40 e 50 anos, mas num sou velho não, viu?! Representante comercial, radialista, escritor quando dá certo e pai da dona desse blog! Já fui poeta um tempo, mas o tempo agora é outro que me falta. Ah, tempo danado!

[COLABORAÇÃO] Nova membro da equipe do blog;

Sei que desde que o mundo é mundo que eu me desculpo pela demora nas postagens, mas como sempre também, a culpa é da faculdade. Último ano, fellas. O negócio vai melhorar no mês que vem, EU. JURO. Mas ó, não foi pra me desculpar que eu vim aqui hoje. É com imensa alegria que eu trago a notícia de que o Apenas Fugindo blog irá contar com uma nova membro na equipe. E, para que a relação entre vocês já comece bem, deixarei que ela mesma se apresente.



Olá pessoal, meu nome é Bruna e vocês devem estar curiosos para saber qual o intuito deste post. Pois bem, como muitos sabem sou apaixonada por filmes e séries a bastante tempo e sempre que possível faço indicações e dou minha opinião a respeito dos mesmos. Então eu pensei, “por que não fazer isso no blog da Thiarlley?”, sendo assim fui logo contando para ela e a mesma gostou muito da sugestão que fiz. 

A ideia é sempre trazer indicações com minha opinião de filmes, séries e até mesmo de livros (porém, os meus posts terão uma tendência maior para a arte do cinema e televisão), mas calma! Não terá spoiler e, se eventualmente tiver, não se preocupem, pois haverá o famoso aviso “alerta spoiler”. As indicações aconteceram duas vezes no mês, podendo ter mais, porém tudo dependendo do tempo que irei ter. Enfim, espero que vocês gostem desse novo projeto e sintam-se à vontade para dar opiniões e indicações. 

E minha primeira indicação será sobre um filme chamado Orgulho e Preconceito, escrito por Jane Austen em 1797 e sendo filmado e lançado em 2006. De resto deixarei vocês na curiosidade e na expectativa para saber mais sobre essa obra que ultrapassou séculos sempre fazendo sucesso enorme. 

Beijos de luz.

Poesia de sábado — A maioria;

A    M  A  I  O  R  I  A


A maioria é quem vence,
A maioria é o que conta;
A maioria é quem decide,
A maioria é quem manda.
A maioria faz as regras...
Mas a maioria se engana!

A maioria faz injustiças,
A maioria cala a verdade,
A maioria é mui desonesta;
A maioria pratica  maldade.

A maioria fala mentiras,
A maioria faz muito errado,
A maioria diz crer em Deus,
Mas se encontra d’outro lado.

                   A maioria é dada ao vinho,
                   A maioria é pura diversão;
                   É o maior desejo da alma,
                   É o que alegra seu coração.

A maioria morreu no Diluvio,
A maioria não quis acreditar.
A maioria não alcançou Canaã
A Grande maioria não se salvará.

                   A maioria vive nas trevas,
                   A maioria não quer a Luz;
                   A maioria soltou Barrabás
                   A maioria crucificou a Jesus.

A maioria é muito sofredora,
A maioria vive aflita; sem paz;
A maioria demonstra ser infeliz
E vive ilusões que não satisfaz.

                   A maioria não louva a Deus,
                   A maioria crer em Papai Noel;
                   A maioria é como a areia do mar,
                   A maioria que não irá para o céu!




                            Escrito por: Rogério Santos 
12. 11. 2000
____________________________________________________________________________
Rogério Santos, entre 40 e 50 anos, mas num sou velho não, viu?! Representante comercial, radialista, escritor quando dá certo e pai da dona desse blog! Já fui poeta um tempo, mas o tempo agora é outro que me falta. Ah, tempo danado!