Poesia de sábado — Quem vai nos dar segurança?


QUEM VAI NOS DAR SEGURANÇA?


O revólver, não resolve; O guarda-costa morre,
É muito caro o blindado e pode ser falsificado.
A polícia não dá conta, boa parte faz de conta.
Fiscalização tem suborno, propina na licitação.

De todo lado vem o perigo, do estranho, do irmão.
Do menor, do chefe da boca e do chefe da nação.
A lei afrouxa, a polícia prendeu, o Delegado solta.
O crime não compensa, tem  Advogado que gosta.

Presídios superlotados, preso faz rebelião.
Reivindica  seus direitos, alguém dá um jeito,
mas que direito? Que direito tem,
Um assassino, um estuprador, um ladrão?

“Eu quero falar pros mano, nois tem direito, e eu não mim gano,
nois tem Direitos Humanos, nois é bandido, mais nois é cidadão”

Privilégios que nem todo trabalhador  tem,
O detento mata, faz refém, mas do direito não abre mão.

Saio de casa não sei se volto vivo, à família isso eu não digo,
Mas não deixo de pensar.
À pé, de Moto, de carro, posso ser assaltado, acidentado,
Mas, preciso trabalhar.

Avião é assustador, dá medo, dá pavor, é rápido, logo passa,
Você fica meio sem graça, e quando menos espera já chegou.
É segurança  sem igual,
Até acontecer uma tragédia, e como  a morte não dá trégua,
É um desastre  fatal.

Falha técnica ou mecânica, a pior a falha humana,
Irresponsável, incompetente, louco,inconsequente,
que mata toda gente por um erro ou ambição.

Lança pelos ares sonhos…
A máquina e as vidas, se despedaçam no chão.
Causando  muita comoção, grande tristeza e dor,
Planos, tantos…Lágrimas, prantos só que restou.
A indenização, não resolve, ameniza, faz justiça,
Não traz de volta a vida de quem se foi e lá ficou.

Não há segurança na rua não é seguro em casa,
É Invadida ou arrombada, vivemos mesmo ao léu.
Não há segurança em qualquer parte desta terra,
E sem segurança a minha mensagem se encerra,
Segurança só em Jesus, o qual morreu na cruz,
Só nEle estaremos seguros seja na terra ou Céu.

Escrito por: Rogério Santos
03.12.2016
____________________________________________________________________________
Rogério Santos, entre 40 e 50 anos, mas num sou velho não, viu?! Representante comercial, radialista, escritor quando dá certo e pai da dona desse blog! Já fui poeta um tempo, mas o tempo agora é outro que me falta. Ah, tempo danado!
0 comentários
Postar um comentário