— diagnóstico: paranoia;

19:39





         A paranoia é um fenômeno que atinge boa parte das pessoas indecisas. Quando em evidência, o ser hospedeiro da paranoia tenta convencer a si mesmo de que não está portando a doença.
         Mas é em vão.
         Quando já instalada, a paranoia mexe com tudo aquilo que o hospedeiro lutou para arrumar, esquecer e se certificou de que havia superado. Perguntas passam a rondar a mente do hospedeiro, como por exemplo: “Será?” “Mas por quê?” “Devo perguntar?” “A culpa é minha?”
         O ser hospedeiro então passa a lutar com a paranoia e convence a si mesmo que são apenas sintomas de algo indesejado. Sem a prescrição médica devida, toma um analgésico muito comum, o ignorant e passa a ignorar tudo o que a paranoia lhe causa. Com o tempo, os sintomas somem. Não há mais dúvidas, não há receio, não há desconfiança.

         E então, num belo dia, um sintoma novo, muito mais forte e devastador que os anteriores, surge.

         A paranoia, em toda a sua simplicidade, mostra-se certa.

         “Viu, só? Você deveria ter perguntado”, ela diz.

         Tão frustrado quanto antes, talvez até mais, o ser hospedeiro percebe que ignorar nem sempre resolve.


         Pois é, tomar certos analgésicos sem a orientação médica, até pode melhorar os sintomas inicialmente, mas num futuro não muito longo, o efeito causado é ainda pior que o primeiro.

Texto originalmente escrito em 02 de agosto de 2015. 

Leia Também:

0 comentários

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO DO BLOG

ACOMPANHE NO INSTAGRAM: @APENASFUGINDO