Especial post — Sobre achados e lembranças;

13:00



Enquanto arrumava alguns livros na bagunça do quartinho da minha casa, encontrei uma pequena fotografia em preto e branco, desgastada com o tempo. Uma garotinha de vestido curto, com a calcinha folgada a mostra e grossas perninhas de fora; de cabelos curtos e meias até os joelhos, tinha olhos de choro e cabelos curtos. No verso, uma pequena dedicatória com falhas na pontuação e erros ortográficos, demonstravam o pouco estudo da pessoa que o havia feito. 


“Alicia” é a minha mãe, que na verdade se chama Alice. A letra, é do meu avô. José André de Menezes Neto faleceu em 28 de Abril de 1986, quando a minha mãe ainda tinha catorze anos, o que significa que eu não cheguei a conhece-lo. Sempre ouvi histórias sobre ele, como não tinha tanta autoridade sobre os filhos e mandava a esposa bater nos mesmos; “Deixe até a sua mãe saber disso”; As peripécias entre ele e “o alice de pai”, como chama a minha mãe; As grosserias de quando estava bêbado, como a bebida o levou a morte pouco depois dos quarenta anos.
A presença masculina “idosa” sempre me faltou, já que meus dois avôs morreram antes de eu nascer. Todo o contato que tive com ambos, fora por meio de conversas dos outros e fotografias. Encontrar essa dedicatória foi como se ele tivesse me entregado a foto como lembrança. Foi como se, estivéssemos ambos, encarando a foto da minha mãe e ele me contasse do ela aprontara naquela idade e risse; fizesse alguma brincadeira sobre as grossas perninhas e depois lamentasse, sentindo saudades daquela época.

Leia Também:

0 comentários

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO DO BLOG