O ócio é bom;

09:58


Quando crianças e adolescentes, o que mais almejamos é a tão sonhada vida adulta. Independência. Ser dono do próprio nariz.

Crescemos e, alguns de nós, recebemos o balde de água gelada ao nos depararmos com grandes responsabilidades, cargas horárias de trabalho exaustivas, afazeres domésticos, contas a pagar, um projeto ou outro por fora, um freela, tudo para conseguirmos nos manter estáveis economicamente falando.

Alguns de nós, porém, o que totalmente não é o meu caso, conseguem ter uma vida ainda mais agitada do que a citada acima. Mesmo com tantas obrigações, ainda é possível manter-se saudável, frequentando academias, tendo um bom lazer nos fins de semana, viagens, alguns, inclusive, suportam mais de um emprego para que assim mantenham suas vidas recheadas de agitação.

Esses alguns, entretanto, são muitos.
E suas vidas agitadas recaem sobre nós, não-tão-agitados assim e, em dado momento, nos fazem sentir culpados por não levarmos uma vida repleta de afazeres com todas as horas preenchidas. Nós, que optamos por uma vida com mais horas de sono nos intervalos, somos questionados, pois, decidimos dormir. Somos questionados por estar em casa num domingo a noite, quando todos os outros, os agitados, estão festejando.

Assim, nos sentimos culpados.
Culpados por optar pelo descanso, mental e físico.

O problema não está na vida que cada um leva, mas sim na liberdade de cada um segui-la.
O ócio é bom. Finalmente admitimos.
O ócio de estar em casa, tomar um banho prolongado e descansar, deleitando-se na ideia de que não há hora para acordar no sábado, é bom.

Nós, os não-agitados, precisamos parar de nos sentir culpados por não levar uma vida com mais horas marcadas e menos horas de sono. Precisamos entender que não somos fracassados por desejar dormir, por nos sentir cansados.

É preciso estar ciente que o objetivo de vida varia de cada pessoa. E, se ao deitar-se em sua cama e fechar os olhos, você se sente bem ao dar um longo suspiro e adormecer, não há problema nisso.


Mais uma vez, o ócio, na dose certa, é bom. E não há nada de errado em apreciá-lo. 

Leia Também:

4 comentários

  1. Ai, a vida adulta cai em cima sem dó... o ócio é ótimo e necessário. Uma professora minha diz que é preciso o ócio criativo, que é quando as ideias surgem, e eu concordo. No final, temos que fazer o que julgamos certo com o nosso tempo, porque os outros vão julgar de qualquer jeito, né?

    Beijinhos :)
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o pior é que cai mesmo, viu. Se quando criança a gente soubesse que era assim, não teria desejado tanto crescer... HUAHUAHUAH
      Pois é, temos que viver de acordo com aquilo que acreditamos ser o melhor para nós.

      Beijos, moça! <3

      Excluir
  2. Ah, que alívio ler esse texto! A vida adulta, quando chega, chega sem dó mesmo, e é importante termos um tempinho só pra gente, né? Um tempo pra descansar e pôr os pensamentos no lugar.
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabi! Fico feliz que tenha gostado do texto, concordo plenamente, o ócio é necessário, inclusive, para pôr os pensamentos no lugar.

      Beijos, obrigada pelo comentário!

      Excluir

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO DO BLOG

ACOMPANHE NO INSTAGRAM: @APENASFUGINDO