Indicação #11 — 'O menino do pijama listrado'; John Boyne

20:01


Título: O menino do pijama listrado

Autora: John Boyne

Tradução: Augusto Pacheco Calil

Páginas: 186 páginas

Editora: Companhia das letras
Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável. 

         Em mais uma narrativa envolvendo a segunda guerra mundial, O menino do pijama listrado traz uma visão diferente da retratada em O pianista, livro já indicado aqui no blog. Enquanto Wladyslaw Szpilman apresenta um relato cru e realista das ruas de Varsóvia durante o Terceiro Reich, Bruno, em sua inocência juvenil, nem mesmo percebe o caos que se encontra o mundo.




         O que mais impressiona na narrativa do livro é a ingenuidade, derivada de Bruno, personagem principal e quem recebe maior foco no enredo. Enquanto faz a leitura, quase se esquece a guerra e o holocausto, este que já era praticado e era forte razão para a mudança da família de Bruno para “Haja-Vista”. Os detalhes, porém, para a percepção da guerra como contexto são dos mais sutis ao mais explícitos – como a visita do Füher a de Bruno.

         Entediado, numa casa que é visivelmente menor que a de Berlim e que não há nada de tão grandioso para se explorar, Bruno observa pela janela um lugar distante, onde ao que parece, vivem as únicas crianças da redondeza, além dele e de Gretel, sua irmã. Todas as pessoas usavam roupas listradas, como pijamas, idênticas as que Pavel, o servente magricelo e estranho que descascava batatas, usava. Certo dia, cansado de estar em casa e lembrando-se o quanto adorava explorar, Bruno saiu decidido, seguindo a cerca que se estendia até o horizonte, cerca a qual tinha sido terminantemente proibido de ir até lá.

         É nesse ponto onde a mais linda história de amizade começa, numa caminhada mais longa do que o próprio Bruno imaginou. No capítulo 10, nomeado “O ponto que virou uma mancha que virou um vulto que virou uma pessoa que virou um menino”, o pequeno alemão chega a um lugar, cercado por arame farpado, parecido com a fazenda que vê pela janela de seu quarto. E, então, nos é apresentado Shmuel, um pequeno polonês preso no campo de concentração.

         Os dois meninos, iniciam um laço de amizade, apesar de suas diferenças. O que mais impressiona na narrativa é ingenuidade presente em ambos, mesmo diante das circunstâncias que o cercam. Como por exemplo, o momento em que descobrem que partilham a mesma data de nascimento. Bruno diz “somos como gêmeos” mesmo estando sentado em frente a uma grande cerca de arame que o dividia de seu recente amigo.

         O livro é leve, mas ao mesmo tempo, triste. Enquanto Bruno e Shmuel se divertem em uma amizade secreta e clandestina, nós do outro lado da leitura, somos atingidos pela dura realidade que os cerca, a ambição de um homem por vingança e poder que dividiu o mundo, separou famílias e matou milhões.

É possível perceber também o modo como crianças são influenciadas pelas ideologias que as cercam, pois em dados momentos, a supremacia pregada pelo nazismo é vista nos diálogos de Bruno.
[...]“Polônia”, disse Bruno, pensativo, medindo a palavra na língua. “Não é tão boa quanto a Alemanha, é?”
Shmuel franziu o cenho. “Por que não?”, perguntou ele.

“Bem, porque a Alemanha é o maior de todos os países”, respondeu Bruno, lembrando-se de algo que ouvira o pai comentar com o avô em certo número de ocasiões. “Somos superiores”.¹

         Após esta arrogância, porém, Bruno em sua mais pura inocência, percebe o quanto aquilo não parecia certo e que, a última coisa que ele desejava, era que Shmuel não gostasse de sua companhia.

         O menino do pijama listrado nos ensina sobre amor fraternal, em sua mais pura essência. Independente de cor, ideologia, classe, nacionalidade – e, neste caso, do lado da cerca.


É a amizade mais pura e verdadeira, vinda da virtude de uma criança. 


menino do pijama listrado, O; John Boyne; Tradução de Augusto Pacheco Calil - 1ª edição - São Paulo : Companhia das Letras, 2013.
Citação 1: página 100.

Leia Também:

2 comentários

  1. Eu quero muitooo ler esse livro! Não sou ligada em assuntos de história e sempre acabo correndo dessas narrações, mas este nem assisti o filme pra me guardar para a leitura. Parece maravilhoso e tocante, só não sei se aguento o final triste :(

    Beijinhos
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita, moça, e por que você corre de narrações históricas? São tão boazinhas, af AUHAUHAUAH o livro é muito bom, o filme também, tenho uma sugestão que é boa e ruim ao mesmo tempo: veja o filme ASSIM que terminar de ler. Vai ser um misto de emoções HUAHUHA

      Beijos

      Excluir

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO DO BLOG