Resenha #23 — 'Na Minha Pele'; Lázaro Ramos

15:29

resenha lazaro ramos na minha pele
Título: Na Minha Pele
Autor: Lázaro Ramos
Páginas: 147 páginas
Editora: Objetiva
Movido pelo desejo de viver num mundo em que as pluralidades cultural, racial, étnica e social sejam vistas como um valor positivo, e não uma ameça, Lázaro Ramos divide com o leitor suas reflexões sobre temas como ações afirmativas, respeito, gênero, família, libertação, afetividade e discriminação. Ainda que não seja uma biografia, em Na Minha Pele Lázaro compartilha episódios íntimos de sua vida e também suas dúvidas, descobertas e conquistas para discutir temas caros à sociedade contemporânea. É preciso, segundo ele, discutir um Brasil que ainda deve entender a importância do diálogo. Não se pode abraçar a diferença pela diferença, mas lutar pela sua aceitação num mundo ainda tão cheio de preconceitos. Um livro sincero e revelador, que propõe uma mudança de conduta e nos convoca a ser mais vigilantes e atentos ao outro.


Esse livro foi, sem dúvidas, a melhor leitura que tive este ano. Desde o lançamento de Na minha pele que me vi interessada na leitura, mas confesso que o preço do livro me deixou um pouco resistente (aquela louca que só gosta de promoções), mas dei uma passada na Amazon logo nas primeiras promoções do ano e garanti o meu exemplar. E me arrependi amargamente de não tê-lo comprado antes.


resenha livro na minha pele lázaro ramos

         Todo mundo que me conhece sabe o apreço que tenho por Lázaro Ramos. Desde mais nova que acompanho sua trajetória como ator e só depois de adulta, só depois de abrir os meus olhos para a importância da nossa luta que eu percebi o quanto a figura dele é necessária e impactante. As poucas páginas do livro mudaram a minha visão sobre o mundo, sobre o outro, sobre mim mesma. Sobre o meu papel como mulher negra e nordestina inserida nesse país que é claramente racista, mas se nega admitir.

Confira a resenha opinativa da 1ª temporada de Dear White People aqui

         Acredito que uma das coisas que dá para sentir é o amor que Lázaro colocou em cada palavra. Em meio ao discurso de ódio e imposição de posicionamento que nós temos visto dentro e fora da internet, a fala dele é cheia de amor, mostrando a importância de se colocar no lugar do outro, de compreender a vivência de cada um e como, diante do nosso histórico como país escravocrata, precisamos tratar de forma desigual para que cheguemos a igualdade.
       
  Uma das coisas que mais me tocou diretamente foi quando Lázaro disse que “o amor não tem cor”. Seu casamento com Taís Araújo tem se tornado cada vez mais referência no meio negro e eu acho isso incrível. Mas, por muito tempo, senti-me reprimida e excluída por namorar um branco. Diversas foram as piadas que já ouvi a respeito disso, boa parte de péssimo gosto e cheguei a me perguntar se este fato diminuía a minha militância. Mas Lázaro me fez ver que apesar de ser incrível termos pessoas ao nosso lado que nos compreenda, que tenha passado por coisas parecidas que nós, também é importante que ensinemos aqueles que nunca saberão o que passamos, pois nunca estiveram na nossa pele.


E foi isso que este livro me trouxe: estive na pele de Lázaro e compreendi todo o processo que o tornou quem é hoje. E isso foi mais do que o suficiente para que eu entendesse os meus privilégios e a falta deles em diferentes tópicos da vida. Lázaro me explicou o porquê de sua ascensão ser tão incrível, mas que ainda assim só reforça a regra. Que ele e sua esposa inseridos na mídia, sendo sempre lembrados quando o assunto é militância negra, significa que ainda temos muito o que conquistar.

Na minha pele é um livro curto, mas de impacto incrível. Os ensinamentos vão além das 147 páginas e vai para a vida. O nosso olhar muda, o nosso tato muda, nossa percepção de vida muda. Citando um amigo meu, o único problema desse livro é que acaba.

 E aí, gostou da resenha? Já leu o livro? Conta aí. :) 

Leia Também:

0 comentários

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO DO BLOG

ACOMPANHE NO INSTAGRAM: @APENASFUGINDO