Resenha #37 — 'O Perigo de uma História Única'; Chimamanda Ngozi Adichie

o perigo de uma história única chimamanda ngozi adichie
Título: O Perigo de uma História Única (The Danger of the Single Story) 
Autora: Chimamanda Ngozi Adichie 
Tradução: Júlia Romeu 
Páginas: 61 páginas
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: O que sabemos sobre outras pessoas? Como criamos a imagem que temos de cada povo? Nosso conhecimento é construído pelas histórias que escutamos, e quanto maior for o número de narrativas diversas, mais completa será nossa compreensão sobre determinado assunto. É propondo essa ideia, de diversificarmos as fontes do conhecimento e sermos cautelosos ao ouvir somente uma versão da história, que Chimamanda Ngozi Adichie constrói a palestra que foi adaptada para livro. O perigo de uma história única é uma versão da primeira fala feita por Chimamanda no programa TED Talk, em 2009. Dez anos depois, o vídeo é um dos mais acessados da plataforma, com cerca de 18 milhões de visualizações. Responsável por encantar o mundo com suas narrativas ficcionais, Chimamanda também se mostra uma excelente pensadora do mundo contemporâneo, construindo pontes para um entendimento mais profundo entre culturas. 

Se você acompanha o blog lá no instagram, já sabe que no último sábado, eu dei uma leve surtada com o pacote recebido do Grupo Companhia das Letras. Foram três livros incríveis, um deles sendo de uma das minhas autoras contemporâneas preferidas que já apareceu aqui no blog, Chimamanda Ngozi Adichie. O livro é bem curtinho, mas muito impactante. O exemplar de bolso conta com 61 páginas e é baseado em uma palestra dada por Chimamanda em2009, no TEDtalk. Após dez anos, o vídeo desse evento possui mais de 18 milhões de visualizações – tamanha a sua relevância em nos fazer repensar ações e visões.

Com exemplos próprios, a autora nos leva a refletir naquilo que não nos aprofundamos e, a partir disso, acreditamos em histórias rasas e, muitas vezes, inverídicas. Os estereótipos seguem nos perseguindo, seja pela cor, pelo gênero, pela orientação sexual, pelo lugar onde se vive; não se aprofundar em conhecimentos básicos em sociedade, isto é, acerca do outro, da vivência do outro e daquilo que nos difere é dar vasão aos estereótipos e continuar a perpetuá-lo.


Como nordestina, uma coisa que ainda me incomoda é a visão que muitas pessoas do sudeste e sul – ainda – têm de nós. Percebo, muitas vezes, que algumas pessoas se chocam quando digo que me graduei numa universidade de elite, a segunda melhor do nordeste, por exemplo. É como se, por se tratar do nordeste, vivêssemos sem água encanada e energia instalada, em ruas com estrada de barro, com duas ou três crianças desnutridas correndo com poucas roupas. Infelizmente, essa é uma realidade que ainda existe e a região foi denominada pela ONU como um dos territórios esquecidos e invisíveis, mas não é a história única da nossa região. É importante se atentar a isso, fazer-se aberto a conhecer e compreender novas realidades daquilo que você já conhece, mas conhece apenas um pedaço da história.

o perigo de uma história única chimamanda ngozi adichie

Como pessoa negra, a história única também é algo que me incomoda – e muito! Somos plurais e isso precisa respeitado. A ideia de negros como serviçais perdura em nosso país como herança da escravidão, mas há 131 anos que o modelo escravocrata foi abolido do Brasil. Gritamos “somos todos iguais”, mas é preciso que se deixe a história única de lado, os estereótipos, para que nos vejam como pessoas diferentes, com histórias diferentes, com a pluralidade que somos. Refletir e analisar as próprias ações é o primeiro passo, compreender a sua visão única – e escravista – que nos enxerga sempre como a empregada, o motorista, a zeladora, a atendente, a enfermeira. Para que assim, compreendendo a pluralidade que somos, independente da cor da pele, possamos, de fato, ver-nos como iguais.


Eu gostei como Chimamanda apresenta um breve relato sobre o continente africano e como, erroneamente, é visto como país, e lembrando apenas como muito pobre, repleto de pessoas e crianças desnutridas, o maior índice de AIDS do mundo. Ela completa: “É claro que a África é um continente repleto de catástrofes. Existem algumas enormes, como os estupros aterradores no Congo, e outras deprimentes, como o fato de que 5 mil pessoas se candidatam a uma vaga de emprego na Nigéria. Mas existem outras histórias que não são sobre catástrofes, e é muito importante, igualmente, falar sobre elas”, p. 27.

Que possamos esquecer a história única por alguns instantes. Numa discussão, sempre frisamos que há os dois (ou até mais) lados da história, não é mesmo? Que possamos ser assim na vida, em sociedade. Que possamos compreender que sempre existe outras histórias, além dos estereótipos, além do senso comum, e assim, quem sabe, possamos ao menos melhorar a harmonia entre nós.

E aí, gostou? Já leu, tem vontade de ler? Conta aí o que achou. :)

Você também pode gostar:

16 comentários

  1. eu li Americana da Chimamanda e me apaixonei pela escrita e temas tratados por ela, já quero ler esse tbm!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, Americanah sempre foi o meu desejo de consumo, já comprei, mas ainda não li. Estou ansiosa demais!

      Excluir
  2. Nunca tinha visto e ainda não conhecia, mas só pela resenha já pude me encantar.
    www.mundodasmulheresbrasil.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo, Luma! Essa autora tem livros incríveis, esse é um bom volume pra começar, pois é bem curtinho! :)

      Excluir
  3. Não conhecia sobre esse livro, mas pela resenha me apaixonei!
    Bjs

    https://blogdamille2018.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Encantada com cada palavra que escreveu 🥰 quero muito ler esse livro
    Um beijinho enorme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que comentário mais fofo! Fico feliz de ter gostado da resenha. Beijos!

      Excluir
  5. Fiquei com curiosidade para ler o livro! Amei a dica.

    O meu blog: https://celinaporai.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Celina! Que bom, fico feliz. Se gostar da leitura, me conta. :)
      Beijos

      Excluir
  6. Parece ser bem interessante a leitura desse livro, existe tanto preconceito e coisas tristes no mundo dos quais alguns a gente nem faz ideia ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Minda! O que eu gostei desse livro foi o modo como me abriu os olhos para isso de maneira tão simples e leve.

      Excluir
  7. Ainda não li obras desta autora, mas conhecer sua escrita está na minha lista de metas para o próximo ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandra. Que ótimo! Além desse, sugiro "No Seu Pescoço" e "Hibisco Roxo" da mesma autora. São incríveis. :)
      beijos

      Excluir